Por que cuidar da saúde mental é importante?

Dados alarmantes no Brasil e no mundo mostram a urgência de discutir sobre o tema

Com a campanha Setembro Amarelo, organizada pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) em parceria com outras instituições, diversas discussões são colocadas no nosso dia a dia para pensarmos: por que cuidar da saúde mental é importante?

A saúde mental inclui o nosso bem-estar emocional, psicológico e social. Afeta a forma como pensamos, sentimos e agimos, além de determinar as diferentes formas que lidamos com o stress, relações com outras pessoas e como fazemos escolhas, sejam elas saudáveis ou não.

É importante enfatizar que a saúde mental é importante em todas as fases da vida, da infância até a vida idosa.

Tanto a saúde física quanto a mental são importantes para o bem-estar geral das pessoas. Por exemplo, a depressão pode aumentar o risco de condições crônicas como diabetes, hipertensão e derrames. Ao mesmo tempo, a presença de doenças crônicas pode aumentar o risco para o desenvolvimento de transtornos mentais.

Aliado a isso, os dados de suicídio são alarmantes. São registrados mais de 13 mil casos todos os anos no Brasil e mais de um milhão no mundo. Trata-se de uma triste realidade, que registra, cada vez mais, casos entre os jovens negros e periféricos.

Cerca de 96,8% dos casos de suicídio estavam relacionados a transtornos mentais. Em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e abuso de substâncias.

A nossa saúde mental pode mudar com o tempo?

É claro que sim. A qualidade da nossa saúde mental varia de acordo com diferentes fatores. Por exemplo, quando alguém é submetido a um excesso de demandas e atividades, o seu bem-estar mental pode ser impactado.

Longas jornadas de trabalho, instabilidades financeiras e relações sociais instáveis também podem ser alguns fatores que contribuem para a mudança da qualidade de saúde mental. Ter se infectado com a COVID-19 ou perder alguém importante durante a pandemia é um exemplo claro de como o bem-estar mental é volátil.

Quando falamos sobre a saúde mental da população negra, o assunto é ainda mais sério. Este contingente sofre, consideravelmente, dos maiores índices de transtornos e doenças mentais, como ansiedade e depressão.

Esse aumento se deve por conta das questões estruturais relacionadas à dificuldade de acesso aos cuidados em saúde e ao racismo estrutural que se apresenta em diferentes frentes como desemprego, violência, acesso à educação de qualidade, moradia e outros direitos que não são assegurados.

Além disso, existem as micro agressões diárias, que potencializam todo o processo de desenvolvimento dos transtornos mentais, como diz a psicóloga Amanda Henrique (CRP – 03/22.069), que atende pela plataforma AfroSaúde.

“Nós, pessoas pretas, vivenciamos o racismo todos os dias, em pequenos comportamentos do nosso dia a dia, como por exemplo: não fazermos movimentos bruscos, andar sempre com as mãos à mostra, entre tantos outros comportamentos que transformam adultos com baixa autoestima, autossabotagem e medo do abandono. Entendendo essas demandas, percebemos a real importância de iniciar a psicoterapia”, comenta.

Algumas pesquisas estadunidenses apontam que a comunidade negra possui 20% a mais de chances de experienciar problemas mentais sérios, como depressão e ansiedade. Os adultos entre 18 e 25 anos são os mais afetados. Aliado a isso, é a parcela da população que menos acessa serviços de saúde mental, quando comparados com pessoas brancas da mesma faixa etária.

No Brasil, as principais causas relacionadas ao suicídio na população negra estão relacionadas ao sentimento de não pertencimento, inferioridade, violências e diferentes tipos de solidão.

Como ajudar a reverter esse quadro?

Para além de falar sobre o assunto, ampliar o acesso a profissionais qualificados é extremamente importante, principalmente quando falamos de populações mais vulneráveis, como a população negra. O conhecimento sobre a relação entre raça e saúde é necessário para que o cuidado seja mais direcionado e adequado.

O acesso à informação é outro fator determinante: a educação em saúde pode ser um dispositivo chave para também melhorar a qualidade da saúde mental das pessoas, junto ao processo de autoconhecimento.

As mudanças estruturais no que diz respeito ao emprego, moradia de qualidade, educação e dinheiro, são fatores que também influenciam consideravelmente no bem-estar mental das pessoas.

Aliado a isso, encontrar um profissional da saúde mental que entenda dessas questões é importante nesse processo. Preparamos um passo a passo para que você possa conferir o que deve ser levado em conta ao buscar um Psicólogo(a).

Na plataforma AfroSaúde, disponível nas versões web e para dispositivos Android, os pacientes têm à disposição profissionais da saúde mental de todo o Brasil que atendem presencial e online. Basta buscar, fazer o agendamento e comparecer à consulta no dia e hora marcados.

Por que cuidar da saúde mental é importante?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *